Sunday, January 07, 2007

Um beijinho de boa noite

- O que é que queres ser quando fores grande, Zé?

- Eu já sou grande!

- Não és nada. Tens 10 anos. És uma criança ainda.

- Sou mais grande que o Francisco.

- Maior. Diz-se “maior”, não se diz “mais grande”.

- Ah. Mas eu não sou criança. Já penso por mim.

- E então, o que gostavas de ser quando fosses..ainda maior?

- Gostava de ser eu próprio.

- Sim, mas isso já vais ser. Estou a perguntar, como gostarias de ocupar o teu tempo, quando crescesses?

- Mas porque não me perguntas antes como eu quero ocupar o meu tempo hoje?

- Porque..porque quero saber do teu futuro.

- Sim, mas no futuro vou ser igual ao que sou hoje. Basta que me perguntes: ”O que é que queres ser hoje?”

- Mas Zé, não vês que se eu te perguntar isso, não me estás a dar luzes sobre o teu futuro?

- Mas o que há de tão misterioso no futuro? Se no futuro eu fizer as escolhas fiéis à minha personalidade, não vou desviar-me do caminho que mais se adequa a mim. Por isso não tens de te preocupar. Não é?

- Pareces um adulto a falar.

- Mas é, ou não é?

- Olha não sei. Queria saber se gostavas de ser médico, ou jornalista, ou advogado..

- Mas mãe, como é que eu posso saber isso hoje? Eu hoje quero brincar, e ler livros e jogar à bola! Sei lá o que quero fazer daqui a 15 anos. Bombeiro talvez. Ou astronauta. Sei lá. Quero fazer o que me apetecer na altura.

- És mesmo criança. Isso é o que querem todas as crianças.

- Se te desses ao trabalho de pensar porquê, não acharias a resposta tão evidente.

- Ah é? Então diz lá porque é que TU achas que todas as crianças querem ser médicos, bombeiros e astronautas??

- Porque, mãe, as crianças não pensam demais, como tu pensas. As crianças agem para satisfazer a sua própria identidade.

- Ah. Que novidade. E então?

- Não vês que todas a crianças são ingénuas, curiosas, aventureiras, bem intencionadas?

- Vejo. E depois?

- Quais são as características de um bombeiro e de um astronauta? Não percebes a conexão?

- Tudo bem. As crianças querem ser bombeiros e astronautas porque são curiosas e aventureiras. E então filho? Onde é que queres chegar?

- Mãe, as crianças não vêem o futuro com os teus olhos utilizantes.

- Queres dizer “utilitaristas”?

- Sim, isso.

- Ainda nem sabes falar, meu bébé.

- Mãe, repara: quando respondem bombeiros ou astronautas, o que as crianças estão a dizer é: “Quando for grande, quero ser criança.”. Mas elas respondem isso enquanto crianças. E quando são crianças, “ser criança” é, para uma criança, ser ela própria. Por isso, quando perguntas a uma criança o que ela quer ser e ela te responde bombeiro ou astronauta, o que te quer dizer é que, no futuro, ela quer ser ela própria.

- Zé, estás a tentar explicar-me que as crianças não fazem a mínima ideia do que querem ser, quando são pequenas como tu?

- Fazem, mãe!! Tu é que vês as coisas ao contrário. Sabem muito bem o que querem ser. Não sabem é ver isso através dos olhos de alguém como tu. Tu, quando me perguntas o que quero ser, esqueces-te de perguntar o que é que eu sou, primeiro.

- Mas eu sei o que tu és.

- Não sabes não. Não fazes ideia. No máximo, sabes o que queres para mim.

- Então o que é que eu quero para ti?

- Que eu seja feliz.

- Então onde está a diferença entre o que eu digo e o que tu dizes, Zé?

- Está no facto de eu querer ser feliz sendo eu próprio, e de tu quereres que eu seja feliz sendo o que tu queres que eu seja.

- Então, que queres que te pergunte?!

- Pergunta-me primeiro quem sou.

- E depois?

- Depois, pergunta-me como penso eu agir no futuro, para preservar a minha identidade.

- E depois?

- Depois, espera para ver se eu a mantenho.

- E como é que vou saber?

- Pelo meu sorriso.

- Então tenho de olhar para ti todos os dias Zé.

- Claro. A felicidade não é absoluta mãe. Ou é?

- Ai Zé, às vezes complicas tanto as coisas. Gostava que fosses um miúdo normal como os outros todos...

- E sou. Igualzinho.

- Pensas demais.

- Eles é que pensam de menos.

- Estás a sorrir agora.

- Claro. Estamos a ser sinceros um com o outro. Estou a ser eu próprio.

- E amanhã, como vai ser?

- Amanhã é outro dia, mãezinha. Espero que estejas cá para julgar o meu sorriso de novo.

- E se sorrires, o que devo pensar?

- Que sou feliz.

- E se não sorrires?

- Que algo me afasta do meu caminho pessoal.

- E qual é o teu caminho pessoal?

- Mãe, parece que não ouviste nada do que eu te estive a tentar explicar...

- Desculpa, estou cansada.

- Vai para a cama então. Dás-me um beijinho de boa noite?

- Dou. Vá. Já estás quentinho na cama, agora dorme. Beijinhos.

- Até amanhã mãezinha.

- Até amanhã meu querido.

26 comments:

Maria Strüder said...

O filho perfeito!

Anonymous said...

n jogas com o baralho todo!

xiribi said...

Tens de parar com isto.

Anonymous said...

caminho pessoal? Parece mais uma reencarnação do Paulo Coelho...

Anonymous said...

ja me tou a passar c estes textos marados.Começa a escrever coisas normais.

xiribi said...

Não gosto muito destes diálogos no Blog.

Mais vale dizeres ”O que é que achas disto ou daquilo?”

O blog é giro e interessante porque há troca de pensamentos.
Prefiro quando escreves ou tiras um texto subordinado a um tema que gere discusão. Ou não.

Acho que um dialogo castra logo à partida a discusão.

É só uma opinião.
De qualquer maneira sigo de perto o +de1000

canetas said...

Vocês só podem estar a gozar comigo.

O Blog é do Luís. Ele faz do Blog o que bem lhe apetece.

Além do mais este é um dos mais transversais que eu conheço.

Fala-se de tudo e quase tudo tem interesse. Mas isso não torna o blog mais nosso. Ele nunca deixa de ser do Luís.

Esta conversa é o Luís. Este blog é o Luís. Porque é que haveria o Luís de querer sempre estar a discutir, ou a trocar pensamentos, ou a dialogar com quem visita o blog?

É por isso que tem piada.
Pelo menos para mim.

xiribi said...

Nao tou a dizer para o luis deixar de fazer o que lhe apetece.
O blog é dele.

Se quiser um blog à minha imagem faço eu um.

Como disse em cima "é só uma opinião".

Abraço

Anonymous said...

Tudo muito bonito... agora podias ter dado mais uns anitos ao miúdo... porque ele começa a dizer mais maior e acaba a falar do caminho pessoal...

Anonymous said...

Eu só estou satisfeito pq a xata da sofia ainda não comentou este...

Anonymous said...

cheirame é que a maezinha levou um granda baile do puto.
( para o Luis nao ficar irritado ASSINO ISABEL CR)

Lau said...

engraçado, sempre que me perguntavam o que eu queria ser eu dizia que queria ser feliz.... ainda hoje digo isso! de facto, ainda nao sei o que quero ser, se nao feliz! :)
beijinho meu honeybear*

Lau said...

http://www.youtube.com/watch?v=fKf2NcLlXEs

esta é a musica que ando ha anos a tentar mandar-te :o

Miguel Costa said...

primeiro
"tens de parar com isto"
mas depois
"Nao tou a dizer para o luis deixar de fazer o que lhe apetece.
O blog é dele."

Em que e que ficamos ???

O blog e dele! Pena, as vezes, neste e noutros blogs, que a caixa de comentarios seja de todos.

em Primo grau said...

ainda bem q a caixa é de todos e ainda bem que o blog é de luis pedro (acho), por isso acho mais interessante realmente commentAR do que andar a mandar bocas.

Acho q tenhotemos muita sorte, pq a ansiedade em proteger e antever o q vai acontecer c os mais proximos, por vezes acaba por te enclausurar numa vida que acaba por n ser tua, mas antes concebida e manietada para agradar aos restantes.

eu sou feliz e às vezes ando nu!

Lorena said...

Só às vezes?

Eu acho k agora que lhe tomaste o gosto jamais irás conseguir parar.

Qualquer dia vou abrir uma clínica para excêntricos como tu....

El-Gee said...

A mim espanta-me imenso que haja tanta gente a ler isto, e tão pouca com sensibilidade para compreender certos textos tão básicos.

MAS: salvam-se alguns comments aqui e umas mensagens e emails recebidos.

Já agora, é assustador a quantidade de gente anónima que vem para aqui para passar o tempo de empregos pouco ocupados. Mandem currículos, pessoal! Isto não é o centro de ocupação de desempregados.

Acalma-te Sirocco said...

O teu blog é bom e até tens umas ideias interessantes... mas não começes a ficar todo pirilampo só porque tens umas pessoas que perdem o tempo aqui...

El-Gee said...

Aproveitem, porque está visto que os comentários anónimos vão ter de ser limitados para isto não se transformar num recreio.

m said...

BOA! lol

Maria Strüder said...

Como é que alguém pode não ter gostado do texto!
Ou ando sensivel, ou achei simplesmente um máximo!

Bhagavad-gitá said...

vi reler o texto depois da conversa ao telefone. E realmente o que sinto é que quero ser uma criança para sempre. Grande dilema em que me encontro ãh?

El-Gee said...

grande, grande dilema Isabel..especialmente se estiveres a ficar grande. Vais ter de fazer as perguntas certas e responder com coragem..

Joana said...

Gostei do miúdo... gostei da mãe... gostei do dialogo e do aconchego ao deitar!

Tenho medo de crescer... gostava de ficar sempre criança.. manter sempre o meu caminho pessoal.. sorrir toda a vontade que um sorriso merece e ser feliz!

espero que também tu sejas feliz!

El-Gee said...

Gostei deste comentário.

makoka said...

Li o teu texto e veio-me à memória o principezinho. Gosto de pensar que não me englobo naquele mundo das “pessoas grandes” que só se preocupam com grandes números e grandes coisas e são incapazes de distinguir um chapéu de um elefante a engolir uma giboia! Mas acho que, inevitavelmente, acabamos todos por chegar a uma altura em que queremos tanto ser “filhos” que nos tornamos numas autênticas “mães”.

A culpa é dos pais? Da sociedade? De nós próprios? Nem sei bem...sei que acabamos todos por ter de nos definir cedo demais, e coitado daquele que tive de se declarar indefinido!

Gostei muito, foi um optimo conselho! Acho que finalmente decidi, quero ser astronauta!