Tuesday, April 03, 2007

The Love Show





Chovem rios sobre Lisboa quando surges através dos vidros embaciados do meu carro. Os faróis iluminam às farripas o teu cabelo de tinta barata que se cola, gelado, a uma lividez encharcada. Abrando quando me acenas de mão na anca. Da tua perna escorregam fios de água gelada que se afogam nos saltos pretos dos sapatos que trazes e te comem os pés. Reparo na cor que te escorre pela cara até à boca. São lágrimas desbotadas de uma máscara que vestes para mim.

Encosto o carro junto a ti. Avanças, decidida. Quantos anos terás? 18? 19?

Abro o vidro.

- Se eu te der cinquenta euros vais para casa?
- Para minha ou para tua?

Já não és uma menina. Nem eu.

- Para tua, sem mim.
- Tás a querer gozar com quem, caralho?
- Não tou a gozar. Entra.
- Cinquenta euros não chegam para a sopa de amanhã pá.
- Ai não? Quanto custas?
- Setenta.
- Entra.

Abro-te a porta. Sentas o rabo molhado no banco ao meu lado. Quase te vejo a anca. És bonita. Uma manta de retalhos bem cosidos.

- Gostava que não trabalhasses hoje.
- Trabalhas tu por mim?
- Não, mas pago-te e levo-te a casa.
- E fodes-me em minha casa?
- Não! Não! Não te fodo! Hoje não fodes! Vais para casa, descansar.

Olhas-me aterrada. Achas-me um tarado esquizofrénico.

- Vai gozar com outra pá.
- Como é que te chamas?
- Rute
- Rute, eu não costumo..pagar por isto, tás a perceber? Gostava só que fosses para casa dormir e tomar um duche quente. Está um gelo. Está escuro. Chove.
- E pagas-me para isso??
- Pago. Se prometeres que vais para casa e ficas lá, pago.
- E és o quê, um anjo da guarda?
- Acreditas em anjos?
- Não.
- Então não perguntes.

Atrás, luzes fortes mandam-me avançar. Encosto mais à frente.

- Então?
- Pá..eu nem acredito nisto. Porquê eu?
- Não sei.
- Pá ya. Quer dizer. Nem sei que te diga. Nunca me aconteceu isto.
- Pois.
- Mas não quero que me leves a casa. Deixa-me num táxi.
- Posso pagar-to?
- Já sabes que não vou recusar.
- Há aqui alguma paragem?
- Há, a uns dois minutos.
- Vai-me dizendo o caminho.

Arranco devagarinho, a chuva cai assutadora sobre o vapor do vidro.

- Que vais fazer, quando chegares a casa?
- Eu?
- Sim.
- Pá..olha nem sei. Aquecer-me. Ver a minha filha. Vê-la a dormir.
- Tens uma filha?
- Tenho duas. Uma vive com o pai.
- E esta, contigo?
- Sim. Tem dez meses Fica c’ávó durante a noite..
- E durante o dia?
- Também.
- Trabalhas de dia também?
- Ya, num café.

Escuto a chuva que cai. Uma melodia feminina penetra-me como o fumo quente de um chá num dia de Inverno.

- E tu, que vais fazer?

Olho-a, desprevenido. Eu? Que vou eu fazer? E porque queres tu saber?

- Eu..olha nem sei..tomar duche, dormir. Acabei de jogar futebol, como podes ver.
- Ya. Jogas à bola, é?
- Sim, com os meus amigos. Às segundas jogamos a estas horas.
- E trabalhas em quê?

Mais uma vez me deixas embaraçado. Tenho vergonha do que sou, do meu caminho, perante o que tu és. Por outro lado, gosto que saibas que os capitalistas de fato e gravata que te comem e te cospem são seres humanos como tu.

- Numa mega empresa, a aprender com os melhores a ser ainda melhor que eles.
- Parece-me melhor que o meu emprego!

Rimos com uma cumplicidade de velhos amigos que seguem caminhos diferentes e se encontram num amargo café a meio da vida.

- Olha curto esta música.
- É gira é..
- Direita.
- Ahn?
- Vira à direita.
- Ah, desculpa não tava a perceber.
- Mas que música é?

Ponho mais alto.

- Ah é uma da gaja dos Morcheeba. Costuma dar nos Morangos, acho eu.
- Putas.

Olho-a. “Mas a puta não és tu?”, pergunto-me.

- Mas.. a puta não és tu?
- Eu?
- Desculpa..
- Pá não te preocupes. Mas vou ter de te fazer uma pergunta de volta.
- Chuta.
- Esquerda e depois direita.
- Hum?

Ris-te.

- Foda-se és mesmo distraído! Vira à esquerda e depois à direita..
- Ah! Então? E a pergunta?
- Olha, achas que uma gaja que tem a segunda filha aos 20 anos, perdeu o pai para a morgue e a mãe para o alcool antes dos quinze, rebenta os cornos no absinto desde os doze, trabalha das sete às sete a ganhar 400 Euros por mês e está à meia-noite a chorar rímel e pecados no meio da rua à espera de um velho bêbado para lhe chupar a pila, é uma puta?
- Deixas-me sem resposta.
- E essas gajas vestidinhas de alface, a cuspir guita no vomitado de besanas de caipirinhas, com casas na praia e olhos azuis, com pais nos bancos e mães a arranjar as unhas nos cabeleireiros todas as terças e sextas, que fodem o melhor amigo do namorado e depois lhe vão chorar para o Mercedes à porta de uma mansão com piscina, são o quê?
- São putas, também, é?
- Foda-se. Essas é que são! Eu. Pá eu, achas que eu gosto de estar aqui?

Sou demasiado formatado para te compreender. Não me deste tempo suficiente para te julgar. Eras só uma puta, quando te abri a porta. Foste uma mulher da vida, quando entraste. Agora já não sei o que és. És um tiro no escuro que saíu na direcção errada.

- Desculpa Rute. Não sei como te responder. Gostava, mas não posso. Tenho imenso respeito por ti. Pelo teu esforço, pelo teu sacrifício, tás a ver?
- Tens pena de mim.
- Pá tenho.
- Não tenhas. Sou adulta. Sei lutar. Direita. É ali, vês?
- Sabes lutar, mas preferia que lutasses com outras armas..
- Como é que te chamas?
- Luís.
- Que idade tens?
- Vinte e três.
- Vinte e três..mais dois que eu..
- Mais dois que tu..
- E, desculpa que te diga, não sabes nada da vida.

Não tenho resposta. Acredito em ti. Conseguiste tocar-me. A chuva parou e desligo o motor. Saio para te abrir a porta.

- Ai mas que cavalheiro..
- Senti vontade de te ir abrir a porta.
- E meninos como tu abrem a porta a putas?
- Já abri portas a putas piores. Não lhes paguei foi setenta euros para irem para casa.
- Pagaste-lhes jantares para irem para tua, não foi? Todas têm um preço, nem todas assumem é isso.
- Não acredito no que dizes.
- Provavelmente nunca vais acreditar.

Rio-me.

- Provavelmente não. Olha, toma os setenta euros..

Aceita-os.

- És um gajo bacano Luís. Não sei que te diga pá..
- Dorme bem Rute.
- Não vou conseguir dormir, vou ficar a pensar em ti.
- Não fiques. Os anjos desaparecem como apareceram.
- Não acredito em anjos.
- Então faz de conta que eu nunca existi.

Sorrio-lhe e volto para o carro. Espera que entre e acena-me, antes de abrir a porta do táxi e sentar o rabo já seco no banco de lona gasta.

Esta noite vai ver a filha no primeiro adormecer, quem sabe se deitará a seu lado e derramará uma pequena lágrima de mãe ausente sobre a sua pequena almofada. Adormecerá exausta junto do fruto de um amor arrependido e acordará com a mãe que a verá, surpreendida, na cama da neta. Amanhã, talvez sorria. O mais provável é não o fazer. Vai gastar todos os sorrisos a que tem direito, hoje.

E eu.

Eu, sigo no meu carrinho de brincar para casa, ingénuo portador de uma boa acção que me desvenda a tristeza de uma vida demasiado bem parida.

29 comments:

comendador xavier said...

Não terá a rute agarrado nos €70 e voltado para a esquina onde a apanhaste? era de puta!

Joana said...

Roxanne you don't have to put your red dress tonight.
Those days are over.
You don't have to sale your body to the night.

canetas said...

Grande Post Luís Pedro.

Que pena que fazem as gajas vestidinhas de verde alface.

António said...

mt bem feito isso de pores uma musica p se ouvir enquanto se lê o post

SAM said...

ahhhhhhhhhh LEVASTE A BANHADA CARALHE!!! MAS ESSA MERDA FAZ-SE MEU???? 70 MOCAS??? E IR PRA CASA TOCAR AO BICHO A PENSAR QUE ELA ESTA A DERRAMAR A LÁGRIMA DE MÃE???

qual é tua meu ? Tens visitado o planeta Terra ultimamente?????

deves ser cristão...cofessa!

está muito bom o texto ....uma delícia!

Mami said...

pah ó engravatado dos powerpoints, tu ultimamente só falas em gajas oqq se passa? é da quaresma?

kiss me said...

Não sei se aconteceu mesmo ou se foi só inventado, mas está um grande texto Parabéns!

the girl in the other room said...

De cada vez que a pressa me faz escrever só pequenas sugestões, e não verborreias que me dão prazer, lembro-me das tuas palavras de apreço :)

Obrigada*

MiSs Detective said...

grande texto. verdade ou nao, grande texto!

El-Gee said...

kiss me e miss det.,

Deste texto, só é real o primeiro parágrafo. (e a música que tocava no carro)

O resto é real na minha mente - não sei se também conta..

bj*

Lorena said...

Bonita dualidade Puta da Vida Vs Puto Encamisado Vivo.

O que será a vida afinal???

tomax said...

Este mundo está cheio de putas, no feminino e no masculino … Basta verem dinheiro, luxo etc.… e lá estão eles prontos para servir !!! Grande texto…

portrerrien said...

ena..

Pink Lady said...

Gostei muito do texto...! Sendo o episódio real ou não! O importante é que consigamos sair da nossa vida de vez em quando e visitar o mundo lá fora! É uma boa reflexão e um exercício que deveria ser praticado por nós com mais assiduidade! Parabéns pelo post!

Lenitah said...

Imaginação ou não, isso não importa. O que importa é que gostei ;) Mt bom (e uma óptima ideia)... Delicioso!

SAM said...

oLHA AMIGO
bOM FIM DE SEMANA!!!
obrigado pelas palavras!!

toma lá Fresquinho said...

muito bom !

se não disseses que só o primeiro parágrafo era real, tomava como verdade!

makoka said...

Muitas das vezes vivemos tão abstraidamente, e quem sabe, egoisticamente a nossa vida que nos passam completamente ao lado, aquilo a que gostamos (por comodismo?!) de chamar outras realidades. Deixaste-me a pensar...

Miss K. said...

me like it!

Maria Strüder said...

Boa Páscoa Luigizinho

delilah said...

e tudo parecia tão verdade ..
e essa música, escolha perfeita.
*

vânia said...

Sente-se cada palavra... E banda sonora é a companhia quase perfeita. Muito bom, parabéns. *

Rita said...

Muito bom!

: )

apipocamaisdoce said...

Gosto do texto. Não gosto do uso excessivo de "tás" e "pás". Resulta num diálogo ao vivo, na escrita nem tanto. Still, gostei.

inespimentel said...

Conseguimos ver esta cena do banco de trás do teu carro, de tão real que parece; belo diálogo para um filme possível, desta ou de outra vida!Muito bem escrito muito sentido por dentro.
Quanto a vidas bem paridas não sei não...talvez isso nos dê uma consciência dolorosa do mundo em que vivemos; talvez os que alimentam alguma revolta por serem mal paridos extravazem aquilo que nós,por educação, muitas vezes, guardamos dentro do peito e às vezes gostariamos de deixar explodir!!!

às vezes Ele, às vezes Ela said...

Tens interior de Missionário!
É um facto!

;-)

ele

Joana said...

Que saudades que eu tinha de ler o que escreves!
Mais uma ,entre muitas vezes, Parabés pelo texto!

Era bom que existissem muitos anjos assim na vida dessas pessoas. Era bom que elas nunca tivessem precisado de seguir esse caminho.

Adorei o texto!

Red Delicious said...

Nem tudo o que é relatado por ser real é necessariamente verdadeiro. A verdade existe entre aquilo que vemos e aquilo que sentimos. Geralmente, se falamos sobre o que sentimos, estamos a ser mais fieis à realidade. E se não aconteceu na prática, um dia aconteceu em nós. Podia ter sido e, por momentos, foi. Ignora o método real. Inventa verdades. Gostei muito deste texto.

formiguita bipolar said...

Parabéns pelo texto! Gostei.