Wednesday, April 18, 2007

A carta de demissão, quando fruto de dois minutos de reflexão entre a sua impressão e a saída do seu autor do escritório, já atrasado

Há algo de ridiculamente solene nas cartas. Uma carta de demissão, por exemplo. Ou, indo mais longe, a minha carta de demissão.

“Caro Dr…

Venho por este meio…

…e isto…e aquilo…

…com os melhores cumprimentos…”

Imprimi a carta, assinei com o meu nome e olhei-a. Um pequeno documento com o peso de uma vida que dá uma curva. Aquela folha de papel é o acto solene que culmina um ano e meio de trabalho, uma série de entrevistas, dezenas de interrogações e uma decisão.

Olho a minha carta de demissão e sinto-me ligeiramente mais vivo do que antes de a olhar.

Sou alguém, naquela folha de papel. O receptor da carta recebe algo que trata exclusivamente de mim.

Estou ali, naquela folha. E não posso fugir dela.

Que pouco vale a palavra dita, quando uma escrita a pode provar em contrário.

É forte, e melancólico, o poder das cartas de demissão.

9 comments:

O melhor post de chocolate do mundo! said...

É forte o poder de tudo o que escrevemos - somos sempre nós em caracteres, num momento específico, para toda a eternidade.

[é quase mágica esta possibilidade de anularmos o tempo e a memória]

astuto said...

Deixa lá a carta, é como o dinheiro: papel. Agora pensa no futuro emprego!

Força.

the girl in the other room said...

Venho sugerir Nizlopi a quem quero bem:)*

star said...

AS vezes que ja me passou pela cabeça escrever essa carta...

Joana said...

Que os próximos passos te façam dizer " a melhor coisa que fiz foi aquela carta de demissão"

Boa sorte para o resto do caminho!

Bjinhos** :)

inespimentel said...

Reduzir a meia dúzia de palavras o resultado duma decisão que foi concerteza fruto de muito pensar, muitos avanços e recuos, pesar de prós e contras enfim um suar que não se traduz nesse "bater de porta".É nostálgico sim, mas deve tb ser a cereja em cima do bolo, o ponto final dum processo difícil, o de decidir mudar.Boa sorte!

Joana said...

.... é forte, melancólico e inspira os outros... (tipo eu!)

que essa estrada te conduza a destinos felizes!
:)

r said...

E agora? De certeza que, se não foi sem muito pensar, foi pelo melhor, portanto nada de tristezas.. ou..

El-Gee said...

Agora? Agora vêm 5 meses de férias, uma viagem de 3 e depois, em Outubro, vem um emprego ainda melhor * (obrigado pela preocupacao!)