Saturday, October 06, 2007

pequenas coisas

As pequenas coisas são o meu reduto. Cada dia que passa, parece que gosto mais de andar aqui à solta pela Terra, e tenho percebido que o prazer que extraio dos dias vem quase exclusivamente de pequenos momentos, pequenas cores, pequenas luzes, pequenas vozes, pequenos sabores, pequenos arrepios que me segredam ao ouvido "isto que aqui se passou foi bom e valeu a pena ter acontecido."

Noutro dia, um dilúvio bíblico mastigava com dentes de água os vidros indefesos do meu carro e eu aproveitava calmamente o trânsito iluminado daquele já escuro fim de tarde. Mudei de posto e ouvi, pela primeira vez na vida, os Booka Shade repetir naquele tom meio sonhador o para mim até então desconhecido e suave "O Superman...O Superman...O Superman" criado pela Laurie Anderson há mais de vinte anos.

A chuva caía, indiferente aos protestos de meia Lisboa, em bátegas sobre mim e o resto da cidade, e buzinas aberrantes praguejavam contra cruzamentos parados. E eu estava ali, meio adormecido, quase, a deixar-me embalar pela voz de robot com sentimentos que me repetia, ao ritmo da chuva, "O Superman", como se nada mais existisse no Mundo senão aquela pequena paz.

Quase quis ficar para sempre dentro do meu pequeno carro, deixar a chuva inundar a estrada, e depois da estrada os passeios, e depois dos passeios entrar pelas janelas e portas das casas, subir até aos telhados e jorrar chaminés abaixo como um sistema de fontes, e que o meu carro flutuasse pelo novo mar acima enquanto eu voava com o Superman que me entrava pelo sangue, chuva abaixo, rio abaixo, mar abaixo, até ao espaço.

Quando o sinal verde abriu, um braço meio mecânico meio etéreo despertou-me da minha letargia e uma voz quente, profunda, rouca e suave, de mulher, de amante virtual, de Oxigénio, lembrou-me, a mim e aos restantes afortunados que estavam a ouvir o mesmo: "Não se intimidem com os trovões..os trovões..não fazem mal".

Olhei para o rádio, para a chuva que já não me deixava ver nada, para as luzes vivas dos carros e semáforos à minha volta e pensei, quase em alto, no bom que é estar à chuva no trânsito e ter uma locutora de voz sensual sensual a proteger-me dos trovões depois de passear no Espaço com uma música daquelas.

Sorri então, fiz uma vénia às pequenas coisas e voltei a perceber como gosto de estar vivo.

1 comment:

CI said...

The little things... there's nothing bigger, is there?